[Pré] Livro Review - O Titereiro dos Mortos

terça-feira, 2 de abril de 2013

OMG Álisson, seu blog ressuscitou dos mortos e você voltou a escrever?

Quem sabe amiguinhos, quem sabe. Afinal hoje vamos falar justamente de alguém que tem o poder de controlar os defuntos... Com vocês, mais uma review em PRIMEIRÍSSIMA MÃO: O Titereiro dos Mortos.



Novamente, como aconteceu com Morgan: O Único, que vocês acompanharam aqui no Depósito de Contos a primeira review, tive a honra de acompanhar a passagem deste livro diretamente da mente maluca de Douglas Eralldo, para o papel (digital vai, mas mesmo assim é papel).



- Álisson, você foi o backup do Douglas de novo? Vai dizer que ele perdeu o pendrive dessa vez? - Nãããão \o/. O que não quer dizer que ele não tenha apagado sem querer algum arquivo no meio da concepção da história e eu tive que recuperar o backup que eu tinha no meu pc =x.

Enfim... Como eu ia dizendo...

Já no prólogo, somos convidados a conhecer a história de Daniel, um garoto pobre, morador da Vila Cruzeiro, em Porto Alegre. Profundamente deprimido pela morte do seu melhor amigo, o cachorro Bolota, e em meio a lagrimas e fungadas, ele descobre que tem um poder um tanto quanto peculiar. As palavras que proferiu, fizeram seu grande amigo retornar de seu descanso eterno e também mudaram a vida de Daniel para sempre.

Para quem acompanhou o livro Morgan: O Único, vai notar algumas diferenças, mesmo com a temática sendo parecida. Apesar de manter a mesma pegada de capítulos curtos e que deixam o leitor louco para devorar completamente as páginas do livro até o seu final, dessa vez Douglas nos traz uma narrativa voltada mais para o público dos grandinhos (para a alegria de muitos). Com muitas passagens verdadeiramente picantes e outras realmente nojentas (poxa é uma história de zumbis, você esperava o que?!) a história vai fluindo nos mostrando os dilemas passados pela mente doentia de Daniel, capaz de qualquer coisa para atingir os seus objetivos (dominar O MUNDO MWAHWAHWAHWA) afinal, outro aspecto diferente e também pouco explorado na literatura é o fato de que Daniel não apenas pode levantar os mortos de suas tumbas mas, como você já deve estar imaginando pela arte/título do livro, ele também pode controlá-los. Como não poderia deixar de ser, são explorados os dilemas encontrados por Gabriel, seu irmão e maior inimigo, pois ele gosta do mundo do jeito que ele é e não gostaria de vê-lo dominado por... criaturas estranhas, mesmo que para isso seja necessário enfrentar seu próprio irmão.

Porém, engana-se quem pensa que a única batalha é entre Gabriel e Daniel. Nas idas e vindas desta dupla, acabamos por conhecer Zé Paulada, o chefe do tráfico da principal favela de Porto Alegre, e que sente-se muito incomodado por seus negócios estarem sendo atrapalhados por pessoas tão difíceis de matar.



Uma das características interessantes é que, assim como era feito nos primórdios das escritas sobre zumbis, onde além de entreter os leitores, o teor das narrativas buscava fazer fortes críticas à sociedade e uma reflexão sobre o mundo em que vivemos, Douglas nos traz diversos conflitos políticos, escândalos religiosos, corrupção e diversas outras sutis críticas que, ao seu modo, nos mostram o quão frágil é nossa sociedade e como estamos imunes às decisões daquele quem detêm o poder e o quão fracos somos à frente daqueles que, apesar de não estarem ligados ao governo, infelizmente também detém o poder.

Pra você que deve estar se perguntando - e aí Álisson, vai ter romance na jogada? - eu lhe digo. CERTAMENTE \o/. Porém infelizmente não vou deixar muitos detalhes para não dar nenhum tipo de spoiler, mas deixe sua imaginação fluir e preparem-se para altas emoções.

Você que também gosta de ação, ééé, você mesmo... para sua alegria, não são poucas estas cenas, com detalhes tão ricos que você vai poder sentir o cheiro pútrido dos mortos sendo chamuscados por saraivadas de balas em diversos conflitos armados espalhados ao longo do livro.

Se você gosta de zumbis, aprecia a literatura fantástica ou apenas quer utilizar muito bem algumas horas do seu dia com uma ótima narrativa, não deixe de conferir o novo livro de Douglas Eralldo: O Titereiro dos Mortos, com lançamento marcado pra dia 13 de abril, em Porto Alegre, na 2º Odisseia da Literatura Fantástica. Mas já vou avisando: Cuidado. Não comece a ler esse livro caso seu tempo esteja curto, pois vai ser impossível parar antes de chegar ao final.


Daquela vez, era como se as almas ao regressarem à matéria inerte e morta reclamassem da escravidão. Mas mesmo assim, as palavras estranhas para os homens, e o ritmo da canção as impulsionavam de volta aos corpos abandonados em buracos e jazigos.
Terminada a canção, Daniel estava em pleno êxtase. Excitado, ejaculou sob a túnica como forma de aliviar todos os sentidos de seu corpo. Suas pernas bambearam.
Quando finalmente Daniel abriu os olhos, uma multidão de criaturas disformes e apodrecidas aplaudiam-no lentamente.


Não deixem de conferir e prestigiar esse grande lançamento da literatura fantástica nacional. Confiram O Titereiro dos Mortos, por Douglas Eralldo.

Abraços pessoal :)

2 Comentários:

Pandora L. disse...

Estou curiosa para ler esse livro >.< adoro a temática♥ gostei de sua resenha ;D vou tentar ler o livro assim que achá-lo sim \o\

gargula disse...

muito bom teu blog cheio de resenhas e dicas literarias interesantes parabens
http://gargulasdark.blogspot.com.br